Rômulo fez

A trajetória do Promotor Rômulo Ferraz já o credencia para o mandato de deputado federal. Mas ele traz, ainda, um diferencial: representa a renovação na política, pois se candidata pela primeira vez.

Eleito, vai levar para a Câmara dos Deputados o trabalho que marcou sua carreira como promotor, procurador e secretário de Estado de Defesa Social: de combate à criminalidade e à corrupção, por justiça, resgate da ética na política e defesa dos direitos ligados à cidadania plena.


Como promotor e procurador

Criação, em 2001, da Promotoria de Defesa da Saúde de Minas Gerais
Possibilitou que, por meio de ações propostas pelo Ministério Público (MP), milhões de pessoas tivessem acesso a internação, tratamento e medicamentos.

Criação do primeiro Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco)
Com o Gaeco, o MP de Minas intensificou sua ação para desarticular quadrilhas que praticam desde o tráfico de drogas até crimes contra a administração pública.

Implantação dos Centros de Apoio Operacional às promotorias especializadas (CAOs)
Os CAOs aprimoraram a orientação e integração de promotorias como: Eleitorais; de Defesa do Patrimônio Público; Direitos Humanos; Idosos; do Consumidor; Meio Ambiente, Portador de Necessidades Especiais; Criança e do Adolescente.

Criação no Ministério Público de Minas da primeira Coordenadoria Estadual de Defesa da Fauna (Cedef) no país
A Cedef garantiu maior efetividade para a adoção no Estado de medidas legais e extrajudiciais para a proteção e punição dos maus tratos aos animais.

Coordenação da atuação do MP na apuração da Tragédia de Mariana
Rômulo coordenou a força-tarefa do Ministério Público que atuou para a punição dos culpados, indenização das vítimas e reparação dos impactos ambientais e aos animais provocados pelo rompimento da barragem do Fundão, em Mariana

Como Secretário de Estado

 Aprovação de uma nova Lei Orgânica para a Polícia Civil
Valorização das carreiras dos policiais civis, que passaram a ter maior autoridade para a prevenção e combate ao crime.

Realização de dois grandes concursos no sistema prisional
Contratação de mais de 11 mil agentes penitenciários efetivos e quase mil agentes socioeducativos.

Aquisição de quatro mil viaturas para as Polícias Civil Militar
Mais efetividade e infraestrutura para o policiamento ostensivo e investigativo em todo o Estado.

Instalação de 800 câmeras do Projeto Olho Vivo
A adoção do monitoramento em todo o Estado contribuiu para inibir a criminalidade

Criação de sete novos núcleos do programa Fica Vivo
Redução dos homicídios de adolescentes e jovens de comunidades carentes, com ações como oficinas de esporte, cultura e arte, Fóruns Comunitários e encaminhamento para serviços públicos.

Inauguração de cinco novos presídios no Estado
Ampliação de vagas para redução da superlotação

Abertura de editais para a construção de 14 presídios
Planejamento para a solução da crise no sistema prisional

Implantação de sete novas APACs em Minas
Adoção das Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (APACs) como modelo alternativo de cumprimento de pena com alto índice de recuperação e custo de um terço do sistema tradicional.

Início da implantação das tornozeleiras eletrônicas em Minas Gerais
Monitoramento de milhares de condenados em cumprimento de pena em regimes aberto e semiaberto, com redução de até 60% da reincidência na prática de novos crimes.

Implantação do primeiro bloqueador de sinal de celular em presídio no Estado
Implantada na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, a tecnologia impede que presos controlem as ações criminosas, de dentro do presídio, além de reduzir as fugas.

Criação da Mesa de Diálogo e Solução de Conflitos Urbanos e Rurais
Solução pacífica, por meio da negociação e diálogo, de ocupações irregulares em áreas urbanas e rurais.